Estar presente

Uma pessoa se compromete realmente a aprender algo quando ela se dá conta que isso faz parte do seu projeto de vida.

Todo o esforço deve ser nesse sentido.

Eu não tenho nenhuma certeza de como será a vida daqui a um ano. Não consigo imaginar…

Hoje, nesse exato momento, no percorrer deste projeto, sinto uma energia muito forte, me sinto realmente presente. Acordado para muitas coisas. Com um futuro nebuloso e com um passado sendo revisto o tempo todo. O silêncio da montanha propicia isso. Consigo perceber certas limitações minhas, meus defeitos, velhos hábitos ruins, dificuldades de lidar e relacionar com pessoas. Aqui nesta área rural de São Bento do Sapucaí, estou fora da minha área de conforto. São situações novas pedindo soluções novas.

Estar aqui tem sido um aprendizado diário. E aos poucos vou me percebendo em diferentes condições. Estar aqui e me dedicar a uma atividade que eu gosto e que talvez seja a melhor coisa que eu saiba fazer nessa vida me alimenta, alimenta uma renovação constante.

Poder receber os amigos nesta casa e levá-los para conhecer os lugares que têm me alimentado é só felicidade, poder compartilhar essa alegria.

Sentir o  corpo, entender o seu limite. Tem sido uma experiência tão intensa que a minha única certeza é estar aqui presente e vivo.

Percorro todos estes morros com meus pés.

Suor, o sol queimando, a roupa encharcada. Um passo atrás do outro e são muitas estórias.

Molho a cabeça numa bica d’água e tropeço nesse horizonte….. Eu não tenho certeza alguma de como será a minha vida daqui a um ano. Tudo o que sei é que fui buscar uma imagem minha pela manhã e voltei com riscos numa placa de cobre. O dia está quente e incrível. E volto para a casa amarela com alguns quilômetros na sola da bota, com a estrada de terra impregnada no corpo e na alma. Espero que o banho de ácido revele a gravação de todo o caminho da imagem, de todo o meu caminho.

O Milton Nascimento é o exemplo de artista pra mim, que admiro muito: vida, obra e postura.

E não por acaso, cantarolo e assobio algumas de suas músicas pela estrada, nessas idas e vindas desse projeto. E Nos bailes da vida resume tudo:

 

Foi nos bailes da vida ou num bar
Em troca de pão
Que muita gente boa pôs o pé na profissão
De tocar um instrumento e de cantar
Não importando se quem pagou quis ouvir
Foi assim

Cantar era buscar o caminho
Que vai dar no sol
Tenho comigo as lembranças do que eu era
Para cantar nada era longe tudo tão bom
Até a estrada de terra na boléia de caminhão
Era assim

Com a roupa encharcada e a alma
Repleta de chão
Todo artista tem de ir aonde o povo está
Se for assim, assim será
Cantando me disfarço e não me canso
De viver nem de cantar

 

Rafael Kenji